Estética Dental

Restaurações e Clareamentos

Restaurações



 

 O amálgama e a reabilitação estética, clareamento ou piercing dental. A muito tempo a Odontologia busca um material que possa substituir o velho e bom amálgama, aquela obturação em metal que quase todo mundo tem, que sempre vem resistindo às novas tecnologias e materiais por possuir características satisfatórias, como resistência e adaptação, para as estruturas dentais.



 

 Porém, já não é de hoje que discute o problema que pode causar o mercúrio, contido nesta liga. Outro fator que depõe contra o amálgama é a estética dental. O amálgama é um material escuro e totalmente antiestético (era feitas as “caudas de andorinhas” ou extensões preventivas, para seu uso), exigindo um desgaste maior do dente, para podermos ter uma maior retenção desse material na cavidade e para prevenção da cárie. Por se o esmalte dentário translúcido, poderia ocorrer um pequeno escurecimento do esmalte, devido ao amálgama, prejudicando a aparência dos dentes.



 

 Naquele tempo se o paciente quisesse uma estética dental melhor, teria de fazer uma prótese de porcelana, sendo que o material empregado naquela época era mais duro que o dente, prejudicando o desgaste fisiológico do dente (é o desgaste que o nosso dente sofre normalmente), resultando problemas de mobilidades dentais e problemas periodontais.



 

 Depois vieram as resinas para uso em dentes anteriores (de silicato), e as resinas importadas, que tinham dois inconvenientes: eram geralmente duas pastas ou um pó e um líquido. Tinham de ser misturadas rapidamente e colocadas na cavidade num tempo curto , facilitando a inclusão de “bolhas” junto com o material e dificultando o acabamento. O outro inconveniente era que só podia ser usada em dentes anteriores e em pequenas preparos posteriores. Quando a cavidade era maior, tinha de se usar blocos (incrustações) feitas de metal prateado ou ouro. Depois vieram as ligas de metais douradas.



 

 Os adesivos dentinários e os ataques ácidos, melhoraram bastante a retenção do material ao dente, diminuindo assim a necessidade de preparo cavitários grandes



 

 Com o advento das resinas foto polimerizáveis, aquela que usa uma luz para fazê-la endurecer, no inicio, já foi possível a realização de trabalhos estéticos nos dentes anteriores e posteriores com maior tempo de trabalho (esses materiais são de dois tipos: foto polimerizáveis e dual – foto e químio polimerizáveis). Porém, essas restaurações não ofereciam muita resistência às forças mastigatórias, nos dentes posteriores com cavidades grandes, tendo assim, uma vida útil reduzida.



 

 Atualmente, já existe materiais estéticos que substituem os blocos de metal. Esses materiais e também as porcelanas usadas hoje em dia, tem a mesma resistência dos dentes naturais, favorecendo o desgaste fisiológico.



 

 Também hoje existe as facetas laminadas, usadas em dentes anteriores, para melhorarmos a forma e sua função, promovendo assim uma melhor estética dental



 

 Hoje em dia esta sendo muito usado os “clareadores dentais” que tem a vantagem de uma maior eficácia e de “não serem abrasivos”, em relação aos métodos de clareamento utilizados anteriormente.

Reabilitação e estética dental:

Visa restabelecer ou corrigir a forma, posicionamento e o equilíbrio estético e funcional dos dentes.



 

 Além do planejamento de um tratamento, que vise alcançar o objetivo pretendido pelo paciente, que geralmente é ter um sorriso de boa aparência, deve-se pensar antes na parte funcional dos dentes, para proporcionar a ele uma boa fonação e mastigação dos alimentos. Também, deve-se procurar alcançar um perfeito equilíbrio dos dentes, músculos e articulações; devendo para isso, quando necessário, reavermos antes da reabilitação oral, esse equilíbrio, através do tratamento da ATM (ou DTM).

Exemplo de incrustação sem o uso de metal:



 

 Paciente possuía um bloco de metal amarelo, no pre molar superior, ao qual aparecia o metal ao sorrir ou falar.

Cimentação de uma prótese sem metal, no premolar (Dente do meio, na imagem acima).

 

Modelo e a peça sem metal, pronta para cimentação no dente.



 

 

 

 

 

 Também, foram removidas as obturações de amálgama, desse caso acima e substituído por resina estética (da cor do dente).

 

Clareamento dental

Dentre os vário tipos de clareamento, utilizamos 2 tipos:

1- Clareamento de dente caseiro:



 

 É feito pelo paciente, 1 hora por dia, com uso de moldeiras de silicone, durante, aproximadamente, 12 dias.

2 – Clareamento dental, em uma sessão:



 

 É feito pelo profissional, no consultório, normalmente, em uma sessão.

Clareamento em sessão única, sistema ZOOM II



 

 Nós utilizamos o clareamento de dentes, tipo Zoom 2. É a mais moderna e com maior nível de clareamento, devido ao tipo de luz, por ela utilizada (clareia os dentes, de pelo menos 50% dos pacientes até a cor B1 ou mais clara). Abaixo temos, uma escala de cor de dentes, para referência.

Vantagens:

• Tratamentos realizados em 45 minutos – adesão total do paciente ao tratamento.
• Conforto para o paciente.



 

 É o tipo de clareamento, que é feito pelos artistas ou modelos, por exemplo, em que devido ao seus compromissos profissionais (como para uma sessão de fotos, por exemplo), necessitam de um clareamento eficaz e rápido. Isso não impede, que você possa ter um sorriso branco, da mesma maneira que os artistas fazem.

Como funciona a tecnologia de ativação por luz:



 

 O gel clareador é ativado por uma reação foto-Fenton do peróxido com o ferro. Os compostos do peróxido reagem com o ferro e produzem radicais de hidroxila, que podem ser chamados de “eliminadores de manchas”. A ativação da luz ciclicamente renova o ferro, que continua a produzir radical de hidroxila, melhorando significativamente os resultados do clareamento.
Abaixo um kit descartável, de uso único, usado no clareamento atraves aparelho tipo Zoom 2, por ativação de luz.

Clareamento de dentes caseiro.



 

 Esse tipo de clareamento dental, é feito através de duas moldeiras, feitas de silicone ou acetato (uma para cada arcada). Essas moldeiras são obtidas, através de moldagem das arcadas. No interior de cada moldeira e feito pequenas bolsas para ser colocado o gel clareador. O paciente usa as moldeiras, durante à noite, durante 7 dias. Intercalando caso hajar sensibilidade (dia sim, dia não) caso o paciente vier a ter sensibilidade dentinária. Após algum tempo, pode-se fazer uma outra aplicação, com menos tempo, para manutenção, se necessário. (Esta orientação passada, depende de fatores como a porcetagem do gel, e a espectativa do paciente, hábitos e outors fatores. - ''Orientação do Dr. Luiz Fernando Vaz de Barros Filho'').



 

 O gel clareador, para uso caseiro, funciona da mesma maneira do gel para luz. A única diferença, é que não precisa de luz, para a sua ativação por isso é mais lento.

Observação: Tanto como o clareamento dental caseiro, como o ativado por luz, não deve usar tabaco ou ingerir substâncias que contenha corantes (geralmente possui cor escura ou vibrante) como café, balas, refrigerantes (por exemplo, Coca Cola), afim de se conseguir manter esse clareamento, por um longo tempo.



 

 Abaixo, duas moldeiras feitas de silicone, uma para cada arcada (observe o recorte gengival, feito na moldeira, para evitar que o gel entre em contato com a gengiva):



 





 

 Alívio (cor cinza), feito nos dentes do modelo, antes da confecção da moldeira de silicone, para acomodação do gel clareador caseiro. Foto abaixo.

 

Algumas exemplos de dúvidas, sobre o clareamento dental.

1) Os dentes podem ser clareados? A partir de qual idade?

Pode sim. É aconselhável que o clareamento seja feito, só a partir de 16 anos.

2) Se pode fazer sozinho, o clareamento dental caseiro?

Nenhum clareamento dental, deve ser feito, sem acompanhamento do profissional.

3) O dente fica enfraquecido?

Não, a estrutura dentaria não é afetada.

4) O clareamento dos dentes, altera as restaurações já existentes?

Não. O paciente deve ser informado que talvez tenha que trocar as restaurações existentes, pois elas não sofrem ação dos clareadores e parecerão mais escuras frente aos dentes clareados, causado desarmonia estética.

5) Quais são as contraindicações, do clareamento dental?

Deve-se evitar o tratamento em gestantes e lactantes, pacientes que apresentam reação alérgica comprovada ao produto. Estes devem descontinuar sua utilização.

6) Que tipos de alimentos, se deve evitar, para aumentar a durabilidade, do clareamento dental?

A escolha do material e tipos de tratamentos a serem empregados, em uma reabilitação dentária ou em um clareamento.



 

 É o dentista que deve, após um exame completo dos dentes (através do exame clínico, radiografias, fotos e modelos dos dentes), dialogar com o paciente, quais são as possibilidades de reabilitações, indicando quais as opções de materiais e opções de tratamentos (como implantes ou ortodontia, por exemplo) que podem ou não ser utilizados, para esse paciente e que possa ser acessível a ele. Por isso, temos de ouvir atentamente, quais são as suas expectativas, em relação a esse tratamento (o que ele espera conseguir, em termos de estética e funcionalidade dos dentes). Como normalmente o paciente é leigo (não conhece os materiais e tratamentos, que podem ser utilizados), cabe ao profissional esclarece-lo, através de fotos ou qualquer outro meio, para que este possa tomar a decisão de qual entre as diversas opções, o tipo de tratamento que gostaria de ter.

Piercing Dental:



 

 A utilização do piercing dental, hoje em dia, feito de vários tipos de materiais, como de cristal (de várias cores e tamanhos), ouro (de vários formatos ou desenhos), ou de pedras preciosas ou semi preciosas, dão um sorriso diferente e atraente. No caso dos piercing feitos de cristal (os mais utilizados) e o de ouro, normalmente não é necessário furar o dente para a sua colocação (eles são “colados” e podem ser removidos, sem prejuízo para o esmalte dental).

Clique aqui, para voltar!